Banner fixo Prefeitura

Cremesp identifica mais uma fraude em processo de revalidação de homem com diploma Médico fraudado

906
Amigão

Conselho cancela registro de homem que apresentou diploma fraudado de universidade da Bolívia
O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) anulou, no último dia 11, o registro de um falso médico, quando descobriu que Rogerio Furlanetto Arauz Cespedes utilizava diploma falsificado da Universidad Técnica Privada Cosmos, da Bolívia. A fraude foi descoberta após consulta do Cremesp – onde ele solicitou registro profissional secundário, em setembro deste ano – à instituição de ensino daquele país. Sua inscrição primária já havia sido concedida, e estava ativa, no Conselho Regional de Medicina do Mato Grosso (CRMMT).

Após a medida de cancelamento do registro, o Cremesp informou imediatamente o CRMMT e comunicou também as autoridades policiais, uma vez que o caso configura exercício ilegal da Medicina, o que coloca em risco a segurança da população. Além disso, o Cremesp notificou a Universidade Federal do Ceará (UFCE), instituição responsável, no Brasil, pelo processo de revalidação do falso diploma.

“Felizmente, agimos com rapidez e de forma criteriosa. Mesmo tendo recebido um certificado de regularidade do CRMMT, atestando que este indivíduo estava em situação regular no Mato Grosso, tivemos o cuidado de investigar. Entre outras informações, sempre checamos a formação acadêmica dos que solicitam o registro para atuar em São Paulo. Neste caso, após recebermos informação do Conselho Federal de Medicina (CFM) de que ele havia respondido a um processo administrativo naquele estado, desconfiamos, fomos checar e, para nossa surpresa, a universidade da Bolívia nos informou que ele nunca havia sido aluno do curso de Medicina naquela instituição. Ou seja, a universidade nunca havia emitido um diploma em seu nome”, explica o primeiro-secretário do Cremesp, dr. Angelo Vattimo.

Natural de São Paulo, Rogerio Furlanetto Arauz Cespedes não informou especialidade médica Cremesp e o endereço comunicado por ele é da cidade de Jundiaí, interior do estado. De outubro de 2018 até outubro deste ano, o Cremesp já cancelou 06 (seis) registros de falsos médicos que burlaram o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida) ou apresentaram diploma falso.

“Nossa intenção é proteger a população, que corre sérios riscos ao se submeter a consultas, tratamentos, procedimentos diversos com essas pessoas que se apresentam como médicos. Estamos falando de graves riscos à saúde e ao bem estar dos pacientes e, por essa razão, seremos implacáveis com este tipo de ocorrência”, finaliza Vattimo.

Indústria do Revalida
Na defesa do ensino médico de qualidade e com o intuito de preservar o atendimento médico apropriado no País, o Cremesp encaminhou ao Governo Federal e aos parlamentares envolvidos na discussão da MP 890/2019 – que cria o Programa Médicos pelo Brasil – um conjunto de sugestões voltadas a inibir o exercício da Medicina por pessoas sem qualificação técnica comprovada. Entre os pontos de maior preocupação está o fortalecimento do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida).

O Conselho defende a realização do Revalida, de maneira centralizada, pelo Ministério da Educação, com o acompanhamento do Ministério da Saúde. Além da manutenção do rigor na aplicação das provas práticas e teóricas aos candidatos, exclusivamente por universidades públicas, o Cremesp solicitou às Pastas o aumento na freqüência desse exame. A aplicação periódica das provas do Revalida, com intervalos mais curtos entre as edições, não criaria entraves burocráticos à revalidação, mantendo o seu rigor.

“A demanda por médicos, em especial em áreas remotas, não pode ser o subterfúgio para o afrouxamento das regras de concessão do registro profissional. Por isso, reiteramos total apoio a medidas que ajudem a estimular a regularização dos graduados no exterior e a fixação dos profissionais, com registro, em todo o território brasileiro, desde que preservado o rigor técnico do processo. Nossa preocupação não passa pela nacionalidade ou o país de formação dos profissionais que pretendem atuar no Brasil. Defendemos somente o exercício da Medicina, a partir da avaliação prévia da capacidade técnica. Por esta razão, é urgente a manutenção e o aprimoramento do Revalida e não a sua flexibilização”, comenta o presidente do Cremesp, Mario Jorge Tsuchiya.

você pode gostar também
Comentários
Loading...
Envie sua Pauta ou sugestão
%d blogueiros gostam disto: